E a nossa história não ficará pelo avesso

Doze de Janeiro de 1077

Uma surpresa bem-vinda foi a guerra entre o Emirado de Badajoz e o Emirado de Toledo, porém, não estávamos em situação para aproveitá-la, visto que o tratado de paz pós-Évora ainda estava em efeito. Nada que um ataque a um dos pequenos vassalos não resolvesse e trouxesse mais outra grande expansão ao Grande Ducado do Porto, embora desta vez não conseguimos fazer uma guerra tão rápida e barata como planejávamos. Com um exército mobilizado de cerca de quatro milhares, rapidamente invadimos e tomamos Alcácer do Sal, depois auxiliamos a tomada de Lisboa pelo Emirado de Toledo, o que considero um erro, uma vez que estes já estão mais fortes do que o Reino de Castela e Leão. Mas isto corrigiremos no tempo certo, isto é, quando o Valoroso Nuno for coroado Rei de Portugal e tiver a liberdade para se expandir com poder contra os bérberes.
Porém, os nobres se tornam cada vez mais inoportunos, querendo direito de suceder meu grande soberano! Nobres! Porém, meu lorde é paciente, não destrói estes traidores imediatamente. Apenas aguarda preparado para rechaçar qualquer movimento em falso.

Quinze de Fevereiro de 1077

Como esperado! Quando vamos terminar o serviço em Mértola, o maldito conde de Coimbra se levanta e contrata uma legião estrangeira para auxiliar na guerra. Mal sabe como tratamos traidores nestas terras, ele será o exemplo de como funciona o Glorioso Emergente Reino de Portugal.

Dez-e-sete de Setembro de 1078

Vitório dupla! Francisco de Coimbra, o traidor, foi exilado para algum lugar desconhecido, enquanto o Emir de Badajoz, hem, desapareceu misteriosamente durante o cerco. O Emergente Reino de Portugal já está preparado para receber do Papa sua aceitação, assim que os tributos correspondentes forem recebidos e enviados. Com a alta idade do Valoroso Nuno, não espero mais muitas batalhas em breve, por isso me aposentei do cargo de marechal, mesmo jovem. Agora minha missão é levar a Palavra aos infiéis recém-conquistados, com o meu cargo de Bispo da Diocese. Daqui a algum tempo, vou pedir para assumir o cargo de Príncipe-Bispo de Coimbra, ocupando o vácuo criado pelo maldito.
Se minhas mensagens parárem por algum tempo, significa que minha ocupação deixou de ser interessante para você, o que me levará a passar este fardo para algum outro membro da corte.

Pelas mãos de Fernando Pires, Bispo da Diocese do Emergente Reino de Portugal.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: