De heróis e vilões, pt. 2

Continuando o post, enfim.

Nos quadrinhos, essas mudanças foram perceptíveis pelos leitores. A quebra de estereótipos batidos e de histórias-padrão foram uma grande revolução nos quadrinhos, levando a Watchmen e outros. Mas e as histórias antigas? Não poderiam ser deixadas de lado, de forma alguma. Não podiam ser alteradas tão drasticamente a ponto de personagens não serem reconhecíveis de edição em edição, não podiam ter uma revolução tão grande em tão pouco tempo.

As histórias antigas tiveram, sim, um revamp, mas muito mais gradual ou de fato alterando-se. Elas ganharam novos títulos ou foram gradualmente introduzindo novos vilões e novas características aos roteiros. Em geral, a primeira opção foi a preferida: as histórias antigas continuavam muito mais lentamente, enquanto novos títulos eram criados utilizando personagens claramente entre os originais e os novos, alterados, mais humanos. Foram criadas situações diferentes, alterações drásticas dos contextos originais (até porque esses não fariam muito sucesso ou sentido se mantidos estáticos).

No cinema, é visível a alteração, até porque o cinema nunca ligou para manter histórias. Com superproduções cada vez mais alardeadas e adaptações cada vez mais freqüentes dos quadrinhos, o cinema se tornou uma grande vitrine das características dos quadrinhos, novas ou nem-tão-novas mas revolucionárias, como o supracitado Watchmen. Neles, com os personagens ganhando vida, no entanto, o caráter que assumiram se torna absolutamente fácil de perceber.

No entanto, por alguma razão, me parece que as histórias não conseguiram mudar tanto os heróis quanto os vilões. Heróis se tornaram um papel de estrelato, de certa forma, mas absolutamente enfadonhos. Batman, Superman e afins continuam nobres demais. Nada mais natural. Aliás, fique claro, não estou reclamando, gosto das coisas assim. Mas não dá para negar que isso abriu um IMENSO espaço para que os vilões se tornassem os personagens mais interessantes. A excentricidade, a complexidade de caráter, além de tiradas geniais, tornaram-se uma marca esperada de vilões, junto a uma astúcia que, talvez, seja a coisa menos real deles, digna de um mestre como don Vito Corleone ou até mais.

Vê-se, portanto, uma tendência a alardearem-se os vilões acima dos heróis. Já não é a primeira vez que saio de um filme adorando e elogiando o vilão ao invés do herói.

Por fim, há os vilões que viram heróis e vice-versa. Mas esses, não sei se são bons ou ruins. Muitas vezes, é algo cabível mas um tanto sem graça. Perdem a família, entes queridos, etcétera. Se não, sofrem um acidente. Ou então ficam simplesmente loucos. Ou, no outro caso, vêem o mal que estão fazendo (sério, isso é a maior quebra de expectativa/clima que eu conheço) ou alguma razão absurda, como serem salvos pelo herói e resolverem ajudá-lo, etc.

O que eu vejo, portanto, é um cenário longe do primário dos quadrinhos: os heróis ainda vencem, ainda são admiráveis e imbatíveis, mas ganham simpatia apenas dos mais inocentes. Boa parte do público, agora, idolatra e entende mais o vilão do que o herói. Lógico, ninguém apóia que a cidade seja explodida ou o mundo destruído, mas todos entendem que o mais humano e plausível entre os dois (e, portanto, maior merecedor de compreensão e até simpatia/elogios) é o vilão, por mais cruel que seja. Eu elogio e aplaudo de pé os últimos vilões que vi em filmes do gênero.

Marcas Technorati: ,,,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: