SIGINT e COMSEC – Protegendo as comunicações

14 março, 2009

SIGINT, abreviatura de signals intelligence, é o termo inglês usado para descrever a atividade de coleta de informações ou inteligência através da interceptação de sinais de comunicações entre pessoas ou máquinas. [Wikipédia]

Seguindo os moldes do artigo sobre OSINT, uma pequena introdução sobre outra modalidade de inteligência, a SIGINT. Para os que não conhecem o conceito de inteligência, é recomendada a leitura do artigo citado acima.

Um pequeno histórico

Talvez um dos exemplos mais famosos de SIGINT seja o Projeto Venona, mesmo tendo sido um segredo completo. Antes de sua exposição no livro Spycatcher, do ex-oficial de inteligência britânico Peter Wright, sua existência era conhecida apenas por um grupo extremamente minoritário, sendo que nem que o presidente americano Harry Truman (1945–1953) sabia diretamente o que estava acontecendo. Sua importância não foi pequena: Foi ele que possibilitou a descoberta de um dos membos do grupo Cambridge Five[1], Donald Maclean.

Um outro caso menos conhecido ocorreu durante a Guerra das Falklands/Malvinas, com os esforços conjuntos britânicos e americanos. Segundo o diário de um oficial britânico no submarino nuclear HMS Conqueror, a interceptação das comunicações argentinas foi “impressionante, de fato e sem ela nós nunca poderíamos ter feito o que fizemos. Nós conseguimos interceptar boa parte, se não foram todas as transmissões do inimigo.” Segundo Ed Ketter, o valor dessas interceptações era tão alto que compensava mais não bombardear o quartel-general argentino para não perder essa fonte.

COMSEC

COMSEC, ou communications security (segurança de comunicações) são as medidas tomadas para garantir a autenticidade das comunicações e evitar que elas sejam disponibilizadas para pessoas não-autorizadas. É visível a necessidade de COMSEC não só em meios militares, como também nas relações interpessoais, como mostra o princípio constitucional da inviolabilidade do sigilo postal, embora com salvaguardas para proteger o Estado:

XII – é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal; [Constituição da República Federativa do Brasil]

O desenvolvimento da idéia de COMSEC começou realmente a partir da Segunda Guerra Mundial, quando foi descoberto em um laboratório da companhia americana Bell, quando um pesquisador notou que cada vez que a máquina de teletipo (um equipamento parecido com uma máquina de escrever, mas com funcionamento eletroeletrônico) era usada, apareciam interferências em um osciloscópio distante. O real problema era o fato de que esta máquina era utilizada para criptografar mensagens, e somente com estas interferências era possível interceptar todo o texto da mensagem sem criptografia.

A partir desta data, uma séria pesquisa para descobrir os motivos desta interceptação e como seria possível bloqueá-la. Em cerca de seis meses, a Bell determinou três principais precauções:

  1. Blindagem eletromagnética, para evitar irradiações;
  2. Filtragem de sinais transmitidos;
  3. Mascarar os sinais.

Porém, as medidas necessárias para proteção praticamente inviabilizavam o uso dos teletipos em campo, o que levou a medidas mais diretas, como controlar e vigiar a zona a cerca de 30 metros dos aparelhos.

Após a guerra, boa parte dessa pesquisa foi abandonada e perdida, só voltando na década de 50, dessa vez sob as rédeas da NSA (National Security Agency, Agência de Segurança Nacional), agência americana especialista em SIGINT.

Hoje em dia, COMSEC é uma preocupação exclusivamente militar, mesmo tendo profundas implicações na vida privada. Segundo Martin Vuagnoux e Sylvain Pasini, dois pesquisadores da Escola Politécnica Federal de Lausanne, é possível capturar todos os dados digitados em teclados normais de computador com equipamento específico. Um maior desenvolvimento e redução de custos nesta área traz consequências fortíssimas, como a possibilidade de capturar senhas em caixas eletrônicos. Desconsiderar estes fatores hoje em dia é simplesmente negar toda a idéia de segurança e privacidade.

[1]Cambridge Five foi um grupo de espiões soviéticos no Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial e o início da década de 50.

Bibliografia e referências:
Markus G. Kuhn e Ross J. Anderson: Soft Tempest: Hidden Data Transmission Using Electromagnetic Emanations
NSA: A History of U.S. Communications Security (Volumes I and II); the David G. Boak Lectures, National Security Agency, 1973
NSA: TEMPEST: A Signal Problem

Anúncios

A Arte do Tédio e da Cópia

4 janeiro, 2009

Homenagens póstumas podem ser feitas até pelos mais desqualificados.

Mural das citações.

Mural das citações.


Wargaming – Inventando novos jogos de guerra

22 novembro, 2008

(Um retorno, agora em terras relativamente mais européias.)

Alguns dias atrás peguei meu novo brinquedo para adultos, o Harpoon 4.1 – High Tide, um wargame naval fantástico e muito famoso em seu meio, que é inegavelmente limitado. Uma curta descrição do jogo, feita pelo Almirante Sir John Woodward, é “… Harpoon 4 permite um gosto surpreendentemente realista de comando marítimo em guerra – com a vantagem de que você não terá que nadar pela sua vida se cometer um erro.”.

Continue lendo »


Revoluções nos Assuntos Militares

22 novembro, 2008

Bem, após algum tempo fora de ação, parece que o Far Beyond Sanity está de volta. Considerando-se o presente estado dos autores, imagino que os posts serão escassos por algum tempo, mas depois as coisas devem voltar ao ritmo de outrora. E, para celebrar a ressureição desta zona, escreverei um pouco sobre Revoluções nos Assuntos Militares.

Criado pelos soviéticos, cujo estudo da “ciência militar” é muito mais rígido e formalista do que a tradição americano-européia, a idéia da existência de tais revoluções – ao contrário de muito da produção sobre assuntos militares do antigo Bloco Oriental – chegou ao Ocidente, onde encontrou tanto defensores como opositores.

Continue lendo »


De heróis e vilões, pt. 2

21 julho, 2008

Continuando o post, enfim.

Nos quadrinhos, essas mudanças foram perceptíveis pelos leitores. A quebra de estereótipos batidos e de histórias-padrão foram uma grande revolução nos quadrinhos, levando a Watchmen e outros. Mas e as histórias antigas? Não poderiam ser deixadas de lado, de forma alguma. Não podiam ser alteradas tão drasticamente a ponto de personagens não serem reconhecíveis de edição em edição, não podiam ter uma revolução tão grande em tão pouco tempo.

As histórias antigas tiveram, sim, um revamp, mas muito mais gradual ou de fato alterando-se. Elas ganharam novos títulos ou foram gradualmente introduzindo novos vilões e novas características aos roteiros. Em geral, a primeira opção foi a preferida: as histórias antigas continuavam muito mais lentamente, enquanto novos títulos eram criados utilizando personagens claramente entre os originais e os novos, alterados, mais humanos. Foram criadas situações diferentes, alterações drásticas dos contextos originais (até porque esses não fariam muito sucesso ou sentido se mantidos estáticos).

No cinema, é visível a alteração, até porque o cinema nunca ligou para manter histórias. Com superproduções cada vez mais alardeadas e adaptações cada vez mais freqüentes dos quadrinhos, o cinema se tornou uma grande vitrine das características dos quadrinhos, novas ou nem-tão-novas mas revolucionárias, como o supracitado Watchmen. Neles, com os personagens ganhando vida, no entanto, o caráter que assumiram se torna absolutamente fácil de perceber.

No entanto, por alguma razão, me parece que as histórias não conseguiram mudar tanto os heróis quanto os vilões. Heróis se tornaram um papel de estrelato, de certa forma, mas absolutamente enfadonhos. Batman, Superman e afins continuam nobres demais. Nada mais natural. Aliás, fique claro, não estou reclamando, gosto das coisas assim. Mas não dá para negar que isso abriu um IMENSO espaço para que os vilões se tornassem os personagens mais interessantes. A excentricidade, a complexidade de caráter, além de tiradas geniais, tornaram-se uma marca esperada de vilões, junto a uma astúcia que, talvez, seja a coisa menos real deles, digna de um mestre como don Vito Corleone ou até mais.

Vê-se, portanto, uma tendência a alardearem-se os vilões acima dos heróis. Já não é a primeira vez que saio de um filme adorando e elogiando o vilão ao invés do herói.

Por fim, há os vilões que viram heróis e vice-versa. Mas esses, não sei se são bons ou ruins. Muitas vezes, é algo cabível mas um tanto sem graça. Perdem a família, entes queridos, etcétera. Se não, sofrem um acidente. Ou então ficam simplesmente loucos. Ou, no outro caso, vêem o mal que estão fazendo (sério, isso é a maior quebra de expectativa/clima que eu conheço) ou alguma razão absurda, como serem salvos pelo herói e resolverem ajudá-lo, etc.

O que eu vejo, portanto, é um cenário longe do primário dos quadrinhos: os heróis ainda vencem, ainda são admiráveis e imbatíveis, mas ganham simpatia apenas dos mais inocentes. Boa parte do público, agora, idolatra e entende mais o vilão do que o herói. Lógico, ninguém apóia que a cidade seja explodida ou o mundo destruído, mas todos entendem que o mais humano e plausível entre os dois (e, portanto, maior merecedor de compreensão e até simpatia/elogios) é o vilão, por mais cruel que seja. Eu elogio e aplaudo de pé os últimos vilões que vi em filmes do gênero.

Marcas Technorati: ,,,

De heróis e vilões, pt. 1

21 julho, 2008

Sabem, um dia eu gostei dos heróis. Alguma parte inocente de mim achava que o fato de eles fazerem tão bem o bem era digno de real admiração, e eles eram meus favoritos. Aliás, até pouco tempo atrás, coisa de pouquíssimos anos, eles ainda eram meus favoritos.

Aliás, a princípio, era esse mesmo o propósito dos heróis: causar admiração. Eram sempre bons, ideais, perfeitos. Eram invencíveis, claro. Não tinham obsessões, apenas a justiça. Nunca era preciso nenhum contratempo para que salvassem o dia. A priori eles causavam admiração e ganharam grande afinidade dos leitores de quadrinhos.

Os vilões, por outro lado, eram o exato oposto: deveriam causar ódio e, em geral, se assemelhavam a algo que era socialmente combatido na época: russos ou americanos, dependendo do lugar; monstros que representavam algum mal; mafiosos; criminosos em geral; corruptos, etc. Eram, basicamente, uma visão do que a sociedade detestava, e não tinham qualquer característica especial além de obedecer isso da forma mais estúpida possível.

Com o tempo, porém, essas características foram mudando. A começar pelos heróis, que deixaram de ser invencíveis e passaram a fazer sucesso em edições especiais que apresentam suas mortes. Fraquezas humanas foram aparecendo, eles começaram a perder batalhas. Psicologicamente, deixaram de ser perfeitos e ideais, e se tornaram mais suscetíveis a dilemas humanos. Passaram a perder coisas, em troca de salvarem o dia (pelo menos isso. Mas se deixarem de salvar o dia, até a graça perdem). Por mim, melhoraram assim.

Os vilões também. Não deixaram de ser maus (aliás, alguns ficaram até piores), não, mas ficaram absolutamente melhores. Também ganharam características um tanto mais humanas, deixaram de ser simplesmente o estereótipo do mal e do “vou destruir a Terra sem razão aparente”, “vou dominar o mundo” ou “vou te matar por ter quebrado minha unha naquele verão”. Alguns ainda têm um estereótipo bem definido, sim, mas são estereótipos humanos. É o estereótipo do louco, é o estereótipo do obcecado. São vilões absolutamente mais humanos e, portanto, mais divertidos, mais realistas.

Em um próximo post, falo mais sobre o assunto, para não fazer algo extenso demais. Também não deve demorar muito, não se preocupem.

Marcas Technorati: ,,,

Em todos os lugares e a qualquer minuto

18 julho, 2008

De uns tempos para cá, meu maior problema para escrever tem sido falta de inspiração. Eu não acho um assunto sobre o qual escrever e, se acho, não consigo me expressar de maneira satisfatória.

Antigamente, costumava ser mais fácil. Não sei se pela angústia das férias (ei, isso existe, acredite), se por preocupação e tensão excessivas por conta das aulas, se por ser rígido demais comigo mesmo. Só sei que não tenho mais a fluidez para escrever tem caído exponencialmente.

Antes, a inspiração vinha de qualquer coisa: vinha de Chico, de Raul, de Drummond, de Machado. Ouvir os versos de cotidiano já era suficiente para me fazer escrever por uma ou duas semanas, textos que eu considero dos meus melhores (e acho que ainda não gosto de 80% dos meus textos). Hoje, ouvir Chico e ler Drummond o dia todo já não surtem efeito quase algum.

Inspiração vem, principalmente, da emoção, pelo menos para o tipo de texto que eu gosto de escrever. No entanto, não é que nada mais me emocione: é que a emoção já não vem tão pura: é circundada de medos e angústias, tensões e pensamentos alheios. Isso inibe a criatividade.

Alguns, no entanto, se fortalecem disso. Como? Meramente focando todos esses pensamentos, todas essas tensões e transformando em texto, passando ou não por uma fase emocional. São escritores que vivem, talvez, mais leves, pois não se importam com esses sentimentos usualmente hostis: pelo contrário, fazem bom uso deles, fortalecem-se através deles.

A inspiração ainda vem de Chico e de Drummond, mas já vem fraca, sutil demais. A verdade talvez seja que eu já não sei aproveitá-la, por mais que ela ainda seja a mesma. A inspiração ainda pode vir de todas as coisas e lugares, mas já não é mais a mesma. E, por não ser escritor de nascença, não sei mais lidar com isso.

Mas sei agora como se sentem os escritores em suas fases românticas, ao menos: têm por única fonte real de inspiração acabarem com angústias e tormentos através das pessoas. Inspiram-se através de sorrisos e palavras, deles ou delas. Pode soar piegas, meloso ou o que for (vontade de escrever whatever. Contenha-se), mas é fato.

Inspirações vêm de todas as coisas e de todos os lugares, basta saber aproveitá-las. Mas não há inspiração melhor do que a que vem de uma pessoa e um sorriso, nada mais. Não que eu já haja encontrado, ao menos.

Marcas Technorati: